DIREITO À AFETIVIDADE DIVERGENTE NO CONTEXTO DA PÓS-MODERNIDADE: O RELATIVISMO COMO ESTRATÉGIA DE ATUAÇÃO PRESTACIONAL DO ESTADO

  • Ana Barros Universidade Cândido Mendes

Resumo




Este artigo busca identificar uma estratégia de ação que permita ao Estado atuar afinado com seu papel de promotor dos direitos humanos no contexto das demandas por legitimidade social para novas possibilidades afetivas. O método de abordagem utilizado foi o dedutivo, com pesquisa a textos de lei e doutrina. Conclui-se que, diante das exigências que marcam a pós-modernidade, é imprescindível que o Direito encontre na flexibilidade e no respeito à autodeterminação um caminho para se manter relevante.




##submission.authorBiography##

##submission.authorWithAffiliation##

Bacharel em direito pela Universidade de Fortaleza (Unifor) e Comunicação Social – Jornalismo pela Universidade Federal do Ceará (UFC); Especialista em direito processual civil e direito e processo tributário (Universidade Cândido Mendes – Rio de Janeiro).

Publicado
2016-11-24
Como Citar
BARROS, Ana. DIREITO À AFETIVIDADE DIVERGENTE NO CONTEXTO DA PÓS-MODERNIDADE: O RELATIVISMO COMO ESTRATÉGIA DE ATUAÇÃO PRESTACIONAL DO ESTADO. Revista do Instituto Brasileiro de Direitos Humanos, [S.l.], n. 16, nov. 2016. ISSN 1677-1419. Disponível em: <http://revista.ibdh.org.br/index.php/ibdh/article/view/341>. Acesso em: 26 jun. 2019.
Seção
Artigos